Violino

O menor e mais versátil membro da família de instrumentos de arco, de quatro cordas (violino, viola, violoncelo e contrabaixo. Resultou do desenvolvimento da antiga viola-de-braço, diferenciando-se dela pelo timbre mais alto, cavalete curvado, ombros quadrados, corpo mais estreito e ausência de trastos. É afinado em quintas e alcança mais de 4 1/2 oitavas (sol 2/mi 4).

 

Viola

Instrumento musical de arco, de dimensões um pouco maiores que as do violino e afinado uma quinta abaixo da afinação desse instrumento. Tem um alcance de três oitavas. Desde o século XVIII faz parte das orquestras e ganhou importância no período clássico.

Violoncelo

O segundo maior instrumento da família de instrumentos de arco, com quatro cordas. Seu alcance é de três oitavas abaixo do dó médio. É o instrumento mais grave do quarteto de cordas. Data do século XVI, tornando-se popular como instrumento solista no século XVII e XVIII.

Contrabaixo

O maior e mais grave dos instrumentos de arco. Tem comprimento de 1,82 m, forma semelhante à do violoncelo, o tampo e o fundo da caixa de ressonância ligeiramente abaulados. A música para contrabaixo é escrita na clave de fá e soa uma oitava abaixo. Suas quatro cordas são afinadas por quartas, em mi 2, lá 2, ré 3, sol 3.

Praticamente indispensável na música sinfônica, sua função é reforçar os baixos da orquestra. Em raras composições atua como solista. Constitui desde a década de 20, instrumento fundamental nos conjuntos de jazz. Em geral na música popular, é executado sem o uso do arco, limitando-se o contrabaixo a dedilhar as cordas.